english spain

Telefone SJ Soluções 2896-4602

sjcontato@sjsolucoes.com.br

Youtube Facebook

ARTIGOS

Sua empresa está preparada para administrar a gestão de gerações?

Qual é a idade média dos funcionários da empresa?
Existem muitas discrepâncias de idade entres os colaboradores?
Você sabe o que é geração BB, X, Y e Z?
Quais são as características de cada uma e como ter uma equipe de diferentes gerações trabalhando juntas?
Será que seu modelo de negócio está adequado para as novas gerações, e para tanto com o futuros colaboradores ou clientes?
Será que há impactos nas rotinas de trabalho, segurança, motivação e etc?
Como mesclar as equipes com as diferentes gerações, mesclar, separar?
Quais são as dificuldades que cada geração pode enfrentar convivendo com as outras?
As gerações mais antigas estão preparadas para ter um superior de uma geração mais nova?
Os benefícios e formas de trabalho que são oferecidos hoje será que vale para as gerações mais novas?

Há alguns dias atrás assisti uma reportagem exibida na Globonews, sobre "a convivência das diferentes gerações no mercado de trabalho atual", que chamou minha atenção.

Abaixo disponibilizo o link para a versão original extraída do site do globo.com

Diferença de valores e culturas entre as gerações pode virar problema

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Após assistir essa reportagem, logo fiquei motivado a escrever sobre esse tema em nosso blog, pois acredito ser de extrema importância para as gestões atuais e futuras das empresas, pois trás indagações que precisam se feitas nos dias atuais: Será que a maioria das empresas estão preparadas para adaptarem sua gestão para a renovação de seus colaboradores, tendo em vista as diferentes características de cada geração, e como fazer para que elas possam trabalhar juntas de forma harmônica?

Parte da resposta desta pergunta foi apresentada na reportagem, mas há outros pontos que devemos considerar: será que a adaptação deve ocorrer apenas na forma de gerir as diferentes gerações dentro da empresa, ou há também a necessidade de analisar se sua empresa está preparada para satisfazer as necessidades das novas gerações como seus futuros clientes?

Certamente, mudanças e/ou adaptações devem ser implementadas nas empresas, objetivando acima de tudo a continuidade dos negócios. Na reportagem foram demonstrados vários exemplos de interação das gerações com "baby boomers," sendo geridos pela geração "Y", e empresas compostas exclusivamente de pessoas da geração Y. Independente do caso, fica evidente que há a possibilidade de se trabalhar com equipes de várias gerações ao mesmo tempo, tentando sempre extrair o melhor potencial de cada uma delas.

Ampliando um pouco a visão para fora das empresas, o encontro das diferentes gerações nas organizações atualmente, trás uma certeza: Os seus clientes são ou serão de gerações mais novas (Y, Z e outras que virão), e se nada for feito para atingir esse novo público alvo, as empresas terão grandes dificuldades de se manterem no mercado, pois a cada dia aumenta a exigência por agilidade, dinamismo, inovação e a forma de se comunicar, características que são fortemente apresentadas nas gerações mais novas.

Devemos ressaltar a importância das empresas se adaptarem a um novo ambiente de trabalho, mesclando gerações, inovando, e estarem sempre a frente das novas tecnologias e formas de se comunicarem com as gerações, que mudam num curto período de tempo, devido a toda exposição tecnológica atual, caso contrário, as empresas correm risco de perderem excelentes funcionários e perderem clientes.

Por Rubens Neubern de Souza Junior

Quando devemos profissionalizar a gestão de uma empresa?

Constantemente encontramos empresas que necessitam de profissionalização, porém quase sempre elas estão enfrentando situações difíceis, e os seus gestores apresentam uma grande resistência em mudar, pois não conseguem com facilidade, romper com o passado em que obtiveram grandes êxitos, sem contar muitas vezes, com nenhuma técnica de gestão profissional. Dizem constantemente "que sempre fizeram desta forma" e não entendem porque mudar, entretanto eles se sentem "patinando" na evolução dos negócios atuais, porque será que isso ocorre?

Geralmente essas empresas estão passando por um momento que é chamado pelos especialistas de curva de inflexão, onde ocorre em média entre o 10º e 15º ano de vida da empresa, conforme exemplificado abaixo:

Faturamento x Período

O período destacado em vermelho é o momento quando a empresa começa a apresentar início de estagnação e queda em seu faturamento / volume de vendas; este período é uma média do que ocorre com algumas empresas que atuam no mercado atualmente, podendo ser antecipado ou postergado, dependendo do segmento de atuação, momento econômico ou outras variáveis que possam mudar esse período.

Caso não haja nenhum tipo de ação de profissionalização/estruturação da empresa antecipando a fase de estagnação e declínio citada, podemos afirmar que todas as empresas sem exceção passarão por esse momento. Se a empresa se profissionalizar/estruturar, ela criará uma nova curva de inflexão, postergando a fase de estagnação e declínio, tornando assim, esse processo cíclico.

Como identificar os sintomas do que a empresa está fazendo de errado, antes de necessitar chegar ao ponto de inflexão, para descobrir dificuldades em sua gestão?

Abaixo estão listados alguns sintomas que podem identificar o momento ideal para iniciar um processo de profissionalização da empresa:

  • Crescimento rápido;
  • Centralização da informação na cabeça dos Sócios da empresa;
  • Dificuldades na administração da empresa, excesso de volume de trabalho e dificuldades em controlar as finanças;
  • Aumento nas reclamações dos clientes sobre entrega, tempo de resposta e etc.;
  • Envelhecimento dos Sócios da empresa, sem processo sucessório estabelecido adequadamente.

Quanto antes for identificado o momento de estruturação da empresa, o mais rápido a mesma poderá ter uma mudança em seu cenário futuro, gerando como resultado melhorias na gestão, nos processos, na rentabilidade e no planejamento da empresa.

O processo para alcançar esses objetivos é bem simples, primeiro deve-se diagnosticar o momento em que a empresa se encontra; em seguida estabelecer as sugestões de melhoria nos processos, na gestão e etc.; depois priorizar e definir quais destas atividades serão estruturadas; e finalmente e mais importante, implantar e acompanhar estas atividades conforme priorizadas.

Todas essas ações requerem acima de tudo, quebra de paradigmas dos Sócios, só assim será possível abrir caminhos para que a empresa se mantenha lucrativa e próspera, bem longe da temida curva de inflexão. Que tal começar agora?